PUBLICAÇÕES E MÍDIA

Renove os hábitos, renove as energias

Missão gaúcha à Europa espera render frutos para o setor de energia

A expectativa dentro da área de energia com os desdobramentos da missão governamental gaúcha na Espanha e França, realizada no começo de outubro, é grande. Com a presença do governador Eduardo Leite, encontros entre políticos e empresários discutiram vários empreendimentos que podem ser desenvolvidos no Rio Grande do Sul nos próximos anos, entre os quais usinas eólicas (onshore e offshore) e a geração termelétrica a partir do gás natural liquefeito (GNL).

O secretário estadual do Meio Ambiente e Infraestrutura, Luiz Henrique Viana, considerou a viagem exitosa. Particularmente ao que se refere ao segmento de energia, ele cita que muitos contatos foram feitos com empresas que já demonstraram intenção de investir no Rio Grande do Sul. Entre essas companhias estão a Iberdrola, a Ocean Winds (uma joint-venture formada pela Engie e a EDP Renováveis) e a Enerfin-Elecnor.

“Todas elas com grande interesse na energia eólica inclusive nas possibilidades de instalação de equipamentos na Lagoa dos Patos”, frisa Viana. O secretário-chefe da Casa Civil, Artur Lemos Júnior, complementa que a Enerfin-Elecnor (dona do parque eólico de Osório) tem um projeto licenciado no Rio Grande do Sul (em Santa Vitória do Palmar) apto a participar de leilões de energia e que já vem sendo inscrito nesses certames. “Eles concretizaram o primeiro parque eólico aqui no Estado e quem sabe não serão os primeiros na retomada desses empreendimentos”, comenta Lemos. Ele recorda que os projetos eólicos sofriam nos últimos anos restrições por causa da limitação do sistema de transmissão gaúcho, porém novas subestações e linhas que estão sendo construídas solucionarão esse problema.

O secretário frisa ainda que a Iberdrola e a Ocean Winds têm parques offshore em processo de licenciamento ambiental dentro do Ibama para serem desenvolvidos na costa do Rio Grande do Sul. “É um investimento de longo prazo, mas que a gente precisa acompanhar e fazer todo o esforço com o governo federal para deixar claras e transparentes as regras de licenciamento offshore”, ressalta.

No campo do gás natural, membros da comitiva gaúcha puderam visitar uma planta de regaseificação de GNL construída pelo Grupo Cobra no município de Sagunto, próximo de Valência, que serve para alimentar uma termelétrica local. Um projeto semelhante, estimado em cerca de R$ 6 bilhões, é planejado pela companhia para ser implantado em Rio Grande. Atualmente, a unidade de regaseificação e a usina dessa iniciativa estão em procedimento de licenciamento dentro da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam). A térmica é projetada para uma potência instalada de 1.238 MW (algo próximo a um terço da demanda elétrica do Rio Grande do Sul), tendo um consumo esperado de 5,5 milhões de metros cúbicos ao dia de gás natural. Já a planta de regaseificação terá capacidade para 14 milhões de metros cúbicos diários do combustível.

O complexo contempla ainda a construção de um píer no porto de Rio Grande para receber os navios que transportarão o GNL até o Estado. O superintendente da Portos RS, Fernando Estima, destaca que o projeto da Cobra é um empreendimento que trará a independência energética do Rio Grande do Sul. O dirigente acrescenta que o gás natural é um combustível de transição para o que se espera para o futuro, com cada vez mais participação de fontes como a eólica e a solar.

“E o gás excedente pode ser aproveitado para diversas finalidades, tanto industriais como residenciais”, salienta Estima. Já o advogado especialista na área de energia e conselheiro do Sindicato da Indústria de Energias Renováveis do Rio Grande do Sul (Sindienergia-RS), Celso Silva, considera que a missão à Europa contribuiu para se alcançar uma sinergia entre o poder público e o privado. “A Cobra fazendo todo o processo ambiental, respeitando todos os procedimentos e normas, e o poder público procurando dar uma atenção destacada para o projeto”, aponta Silva.

Ele acrescenta que a empresa espanhola também manifestou que tem interesse em investir em empreendimentos eólicos a serem desenvolvidos no mar e nas lagoas do Estado. Outro ponto mencionado foi a intenção do grupo em associar alguma representação dele no Sindienergia-RS.

Além dessas pautas, durante a missão Porto Alegre foi confirmada como sede da próxima South Summit, maior feira de inovação do Sul da Europa, que deve ser realizada na capital gaúcha em março de 2022. O secretário-chefe da Casa Civil ressalta que se trata de um marco importante por ser um evento onde muitas startups se apresentam. Lemos enfatiza que será a primeira vez que o encontro será realizado fora da Espanha.

“É uma feira reconhecida, então temos que fazer valer que Porto Alegre estará no radar como uma cidade inovadora, assim como o Estado como um todo”, argumenta o dirigente. O secretário acrescenta que será uma oportunidade para fomentar o turismo e demonstrar que o Brasil é mais do que apenas o eixo Sudeste.

Texto: Sindienergia-RS